Os dez piores vírus de informática da história

O site TechWeb, publicou em 2006 as dez maiores pragas da história de internet.

Estas pragas causaram danos econômicos importantes, chegando a bilhões de dólares em alguns casos, além de ocasionarem a perda de uma quantidade considerável de dados e deixarem um grande número de máquinas danificadas. Saiba um pouco mais sobre os dez vírus mais perigosos que os PCs já enfrentaram.


CIH – 1988
Liberado em Taiwan em junho, o CIH infectava Windows 95, 98 e arquivos executáveis do ME. Ficava residente na mamória do PC e podia sobrescrever dados no HD, tornando-o inoperante. Também conhecido como “Chernobyl”, o vírus deixou de ser maligno devido à grande migração dos usuários para o WIndows 2000, XP e NT, que não são vulneráveis a ele. Os danos causados pelo CIH foram estimados em entre US$ 20 milhões e US$ 80 milhões, além dos dados destruídos.


Melissa – 1999
O W97M/Melissa tornou-se manchete de tecnologia em março de 1999. Vírus de macro para documentos Word, se espalhou rapidamente e forçou empresas como Intel e Microsoft, entre outras, a fechar seus sistemas de e-mail para conter a praga, que se disseminava via Outlook. O vírus, além de se enviar pela Internet, modificava documentos do Word colocando falas do programa de televisão Os Simpsons. Causou danos estimados em US$ 300 milhões a US$ 600 milhões.


ILOVEYOU – 2000
Também conhecido como Loveletter e The Love Bug, o ILOVEYOU era um script de Visual Basic com uma mensagem amorosa e foi detectado pela primeira vez em maio, em Hong Kong. Era transmitido via e-mail e continha o anexo Love-Letter-For-You.TXT.vbs. Assim como o Melissa, o vírus se espalhava via Outlook. O programa malicioso sobrescrevia arquivos de música, imagem e diversos outros com uma cópia sua. Como o autor do vírus é filipino e na época naquele país não havia leis contra criação de vírus, ele nunca foi punido. A estimativa dos danos financeiros causados pelo ILOVEYOU ficou entre US$ 10 bilhões e US$ 15 bilhões.


Code Red – 2001
O Code Red era um worm que foi liberado em servidores de rede em 13 de julho. Era um bug particularmente perigoso por causa do seu alvo: servidores rodando Microsoft’s Internet Information Server (IIS). O worm explorava uma vulnerabilidade no sistema operacional do IIS. Também conhecido como Bady, o Code Red foi criado para causar o máximo de danos. Na infecção, sites controlados por um servidor atacado exibiriam a mensagem “HELLO! Welcome to http://www.worm.com! Hacked By Chinese!”. PCs controlados pelo vírus dirigiram ataques a determinados endereços IP, incluindo a Casa Branca. Em menos de uma semana, o vírus infectou quase 400 mil servidores pelo mundo. As estimativas dão conta de um milhão de computadores infectados, e danos de US$ 2,6 bilhões.


SQL Slammer – 2003
O SQL Slammer, também conhecido como Sapphire, apareceu em 25 de janeiro. Como foi lançado em um sábado, o dano foi baixo em termos de dólares. Entretanto, ele atingiu 500 mil servidores em todo o mundo e deixou a Coréia do Sul fora do ar por 12 horas. Seu alvo não eram os usuários finais, mas os servidores. Ele infectou 75 mil computadores em 10 minutos e atrapalhou enormemente o tráfego online.


BLASTER – 2003
No verão (no Hemisfério Norte) de 2003, os profissionais de TI testemunharam, em rápida sucessão, o aparecimento dos worms Blaster e Sobig. O Blaster, também conhecido com Lovsan ou MSBlast, foi o primeiro. Detectado em 11 de agosto, ele se espalhou rapidamente. Explorava uma vulnerabilidade dos Windows 2000 e XP, e quando ativado, presenteava o usuário com uma mensagem avisando que uma queda do sistema era iminente. Em seu código havia instruções para um ataque DDoS contra o site windowsupdate.com, programado para o dia 15 de abril. Centenas de milhares de PCs foram infectados, e os danos ficaram entre US$ 2 bilhões e US$ 10 bilhões.


Sobig.F – 2003
O Sobig surgiu em seguida ao Blaster, transformando agosto de 2003 num mês miserável para usuários corporativos e domésticos de PC. A variante mais destrutiva foi a Sobig.F, que se espalhou tão rápido a partir do dia 19 que chegou a estabelecer um recorde, gerando mais de um milhão de cópias em apenas 24 horas. Em 10 de setembro, o vírus se desativou e deixou de ser uma ameaça. A Microsoft chegou a oferecer uma recompensa de US$ 250 mil para quem identificasse o criador do Sobig.F, mas até hoje ninguém foi apanhado. Os danos foram estimados entre US$ 5 a US$ 10 bilhões, com mais de um milhão de PCs infectados.


Bagle – 2004
Um worm clássico e sofisticado, o Bagle fez sua estréia em 18 de janeiro. Ele infectava os sistemas pelo método tradicional – vinha anexado a um email – e vasculhava arquivos do Windows em busca de endereços de e-mail que pudesse utilizar para se replicar. O verdadeiro perigo do worm, também conhecido com Beagle, e suas 60 a 100 variantes é que, ao infectar o PC, ele abria uma porta que permitia o controle total e a distância do sistema. O Bagle.B foi desenhado para parar de se espalhar depois de 28 de janeiro do mesmo ano, mas numerosas outras variantes continuam a incomodar até hoje. Os danos foram estimados em dezenas de milhões de dólares, e a contagem continua.


MyDoom – 2004
Por um período de quatro horas em 26 de janeiro, o choque do MyDoom pôde ser sentido em todo o mundo enquanto o worm se espalhava numa velocidade sem precedentes pela Internet. A praga, também conhecida como Norvarg, se espalhou em um arquivo anexado que parecia ser uma mensagem de erro, com o texto “Mail transaction failed”, e via compartilhamento de arquivos entre os usuários da rede P2P Kazaa. A sua replicação foi tão bem-sucedida que especialistas em segurança de PCs calcularam que uma em cada dez mensagens de email enviadas durante as primeiras horas da infecção continham o vírus. Ele estava programado para parar de agir depois de 12 de fevereiro, mas em seu auge chegou a diminuir em 10% a performance global da Internet e aumentar o tempo de carregamento dos sites em 50%.


Sasser – 2004
Criado por um adolescente alemão (17 anos de idade), o Sasser começou a se espalhar em abril, e foi destrutivo o bastante para deixar fora do ar o satélite de comunicações para algumas agências de notícias da França. Também resultou no cancelamento de vários vôos da Delta Airlines e na queda do sistema de várias companhias ao redor do mundo. Diferente da maioria dos worms que o antecederam, o Sasser não era transmitido por email e não precisava de nenhuma ação do usuário para se instalar. Ele explorava uma falha de segurança em sistemas rodando Windows 2000 e XP desatualizados. Quando conseguia se replicar, procurava ativamente por outros sistemas desprotegidos e se transmitia a eles. Os sistemas infectados experimentavam quedas repetidas e instabilidade. Como o autor ainda era menor de idade quando criou o vírus, um tribunal alemão considerou-o culpado por sabotagem de computadores, mas suspendeu a sentença. O Sasser causou dezenas de milhões de dólares em prejuízos.

About these ads

6 respostas para Os dez piores vírus de informática da história

  1. Hugo exploit disse:

    exploit manda no BRASIL !

  2. samia disse:

    cuidados

  3. iza disse:

    cuidado os virus estão no ar!

  4. fernanda disse:

    infelizmente os vírus estão em todos os lugares!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: